Fãs Cegos e uma Vitória Falsa

(Esta postagem é uma tradução e adaptação de minha postagem “Fandom and Cuba’s Empty Medical Victory“. Obrigadão para minha esposa por sua ajuda com a tradução.)

Queria falar um pouco sobre as reações de alguns socialistas ao plano do Brasil de importar seis mil médicos formados na Cuba.

Primeiro, deixe-me descrever a situação. O interior do Brasil não é bem desenvolvido. Em muitas cidades pequenas faltam serviços básicos. Coisas básicas como ruas pavimentadas, bancos, remédios, saneamento básico, conseguem estar em falta. Frequentemente as escolas não são boas. Como você pode imaginar essas vilas não são lugares atraentes para um profissional de classe média morar. Entre as várias coisas que podem faltar estão médicos.

Existem incentivos monetários para encorajar os médicos para morar e trabalhar no interior, mas poucos acham que são suficientes, ou, se acham, não ficam no interior por muito tempo. E quem consegue culpá-los? É difícil para os cônjuges encontrarem emprego. Se têm filhos, vão receber uma educação boa?

Veja Cuba. Em 2010 a Cuba tinha o maior número de médicos por habitante no mundo: 6.7 por 1,000 (http://data.worldbank.org/indicator/SH.MED.PHYS.ZS). Em comparação, os EUA tinham 2.4 e o Brasil, 1.8. Não sei qual é o número ideal, mas muitos países industrializados têm cerca de 2 por 1,000, então se o Brasil tem um déficit geral, não é muito maior do que o desses países industrializados. Claro, Cuba tem muitos médicos, mas o Brasil não encara um déficit crítico, e sim um problema quanto à distribuição, quanto a encorajar os médicos a trabalhar nos lugares onde nenhum de seus amigos e colegas querem morar ou trabalhar.

Em Cuba, os médicos ganham pouco, apenas US$20 por mês, ou menos (http://en.wikipedia.org/wiki/Healthcare_in_Cuba). Com frequência eles param de trabalhar como médicos para ganhar mais na indústria do turismo. Entre aqueles que permanecem médicos, alguns participam do mercado negro da medicina, onde pacientes pagam extra pelo tratamento preferido e/ou melhor. O ponto principal é que, enquanto Cuba tem muitos médicos, e eles estão fazendo um bom trabalho primário de atenção básica (as estatísticas da ONU dos índices de expectativa de vida e mortalidade infantil são boas), não é um grande lugar para praticar medicina.

Veja a presidente do Brasil, Dilma Rousseff. Ela criou um plano que consiste em importar 6 mil do excesso de médicos da Cuba e colocá-los para trabalhar no interior. Ela quer fazer isto sem revalidar seus diplomas. Nenhum país faria isso, exceto no caso de alguma emergência. E, como disse acima, o Brasil tem um problema, e não é uma emergência.

Dilma e Cuba também querem pagar aos médicos formados em Cuba menos do que o que seus colegas brasileiros ganham. Muito menos. Um médico generalista numa cidade grande do Brasil ganha R$10,000 por mês pelo menos. Especialistas, claro, ganham mais. E, como disse, no interior eles ganham ainda mais. Por outro lado, cada médico da Cuba vai custar ao Brasil R$8,000, mas só R$2,500 vai ao médico. O resto vai para o governo de Cuba.

Veja os fãs da Cuba. Pessoas que não são de Cuba (em geral), mas que torcem para Cuba. Em geral são socialistas ou comunistas que aceitam a idéia de que Cuba é um sucesso marxista ou seria se não fosse o embargo comercial dos EUA. Não importa que Cuba consiga fazer (e faz) negócios com muitos outros países da Ásia, América do Norte, África e Europa. Não importa que os médicos lá ganhem menos do que guias turísticos. Não importa que a economia seja tão ruim que Cuba precise de “bolsa país” de outros países para manter sua economia.

É muito possível que uma economia bem planejada centralmente possa funcionar, e bem. Neste artigo, não estou tomando uma posição a favor ou contra comunismo em geral. Simplesmente estou dizendo que, se marxismo pode funcionar, é muito claro que a maneira que Cuba o planejou foi um fracasso. Não é um exemplo brilhante de marxismo que é um fracasso apenas porque apenas um país não queria comercializar com ele, é um embaraço, que tem faltado com seus cidadãos apesar de receber bilhões de dólares por ano da URSS (até este país cessar sua existência) e depois disso, e do petróleo barato da Venezuela.

De volta aos fãs da Cuba. Eles pensam que o plano da Rousseff é ótimo. Eles acham que este demostra que os médicos formados em Cuba são mais éticos e morais do que aqueles formados no Brasil. Eles acham que é uma grande vitória para Cuba. Estão tão cegos por sua adoração por Cuba, seu nacionalismo, se preferir, que não podem ver que o Brasil está fazendo uma coisa que a maioria das pessoas, especialmente socialistas e comunistas, detestam: explorar dos trabalhadores. Não mostra que Cuba é ótima, não mostra que médicos formados na Cuba são inexplicavelmente mais altruístas do que outros; mostra que ser um médico onde Judas perdeu as botas no Brasil, sem bancos, sem ruas pavimentadas, com escolas ruins e carências de medicamentos, ainda é melhor do que ser um médico em Cuba.

Que vitória.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s